O termo Processamento Auditivo Central (PAC) refere-se à eficiência e à efetividade com as quais o cérebro é capaz de analisar e interpretar as informações auditivas. Algumas das habilidades envolvidas nesse processo são localização sonora, discriminação e reconhecimento de sons e memorização de sequências sonoras.

Falhas neste mecanismo dão origem às chamadas “alterações no Processamento Auditivo Central” (também conhecidas pela sigla “alterações de PAC”). As alterações de PAC podem ocorrer mesmo em pessoas que apresentam audição normal. Pessoas desatentas, distraídas, que solicitam muitas vezes a repetição do que foi dito, com dificuldades escolares, alterações de fala, de memória ou que sentem muita dificuldade de ouvir e prestar atenção em ambientes ruidosos podem apresentar alterações no Processamento Auditivo Central.

Existem diversos programas de treinamento voltados para pessoas que apresentam alterações no Processamento Auditivo Central. Alguns são mais ecléticos e trabalham diversas habilidades auditivas, enquanto outros se fixam numa determinada forma de treino.

O objetivo do estudo em destaque foi verificar a eficácia de um programa de treinamento auditivo específico para o treinamento de habilidades do Processamento Auditivo Central, em um grupo de pessoas com essa alteração. O programa utilizado foi organizado com base em estudos de diversos pesquisadores. As habilidades auditivas trabalhadas foram: detecção, discriminação, localização, reconhecimento, compreensão e memória. Dentro de cada uma destas etapas, são trabalhadas habilidades auditivas específicas. O programa de treinamento auditivo mostrou-se eficaz neste grupo de pacientes com alterações no processamento auditivo, indicando melhora das habilidades auditivas alteradas.

O instrumento Baralho Pró-Fono: Ouvir – Memória Auditiva foi idealizado pela fonoaudióloga Dra. Fabiola Mecca, que é uma das pesquisadoras e autoras do estudo em destaque. O Baralho Pró-Fono: Ouvir – Memória Auditiva propõe a prática de atividades de memória auditiva e auxilia também na construção de estratégias metacognitivas.

Por meio deste instrumento, criança e fonoaudiólogo poderão desenvolver atividades envolvendo tarefas de memória auditiva sequencial de dígitos, de cores, de times de futebol, de palavras, de frases e de histórias, com diferentes níveis de complexidade e hierarquicamente organizadas. Esse material oferece ainda dicas de como o terapeuta pode facilitar a memorização de dados pela criança, com a utilização das cartas “Super Dicas para Memória”. Outras habilidades auditivas, como integração auditivo visual, também são estimuladas pelo uso desse instrumento.

Referência: SAMELLI, A. G.; MECCA, F. F. N. Treinamento auditivo para transtorno do processamento auditivo: uma proposta de intervenção terapêutica. Revista CEFAC, v. 12, n. 2, pp. 235-241, 2010.